• Alice Para os Mais Pequenos

    Sobre o livro
    Publicada pela primeira vez em 1890, esta obra foi a primeira edição colorida do clássico Alice no País das Maravilhas, adaptada especialmente para os leitores mais pequenos. Lewis Carrol reescreveu e simplificou a história original, enquanto John Tenniel redesenhou e coloriu vinte das suas ilustrações icónicas. O resultado é uma deliciosa experiência interactiva em que os jovens leitores são incentivados a mergulhar na história tanto por via das imagens como do texto. Esta edição, comemorativa dos 150 anos da publicação do clássico, recupera todos os textos e ilustrações originais, inclui os magníficos desenhos da capa de Emily Gertrude Thomson, e foi enriquecida com um posfácio que contém informação preciosa para todos aqueles que pretendem iniciar as crianças no mundo de Alice. Uma obra intemporal que é um deleite para leitores de todas as idades.

     

    Sobre o autor
    Charles L. Dodgson, filho de um pastor anglicano, Charles Dodgson, recebeu uma educação religiosa voltada, em princípio, para uma carreira semelhante à do pai. Não foi esse, no entanto, o seu itinerário, já que, uma vez formado, ingressou na Universidade de Oxford e aí foi convidado a permanecer como Professor de Matemática, área da sua predilecção. Adopta mais tarde o seu pseudónimo literário, Lewis Carroll, e, sob inspiração de uma das três filhas de um grande amigo seu, Henry Liddel, escreve o livro que o viria a celebrizar em todo o mundo, Alice no País das Maravilhas, onde estão patentes muitas das suas reminiscências de infância.

     12.72
  • As Fadas – 3ª edição

    Sobre o livro
    Muitos foram os nossos grandes escritores que embora escrevendo essencialmente para adultos nem por isso olvidaram os pequenos leitores dedicando-lhes alguns dos seus escritos sob formas tão diferentes como a poesia e a ficção e com objectivos igualmente tão diversos como a formação educativa, didáctica e pedagógica, o meramente recreativo ou estas ambas vertentes. Citamos, a título de exemplo, Afonso Lopes Vieira com Os Animais Nossos Amigos, Gomes Leal com Jesus Cristo para as Criancinhas Lerem, Guerra Junqueiro com os seus Contos para a Infância, Jaime Cortesão com o seu Romance das Ilhas Encantadas, Aquilino Ribeiro com o seu Romance da Raposa, e Antero Quental com o Tesouro Poético da Infância, livro coligido e ordenado por ele, que inclui o poema As Fadas, agora reeditado com as belíssimas ilustrações de Raquel Pinheiro. Neste belo poema é recriado, com a fértil e sensível imaginação do poeta, o universo fantástico e encantador das fadas que desde tempos imemoriais tem encantado e feito sonhar sucessivas gerações de pequenos e grandes leitores.  

     

    Sobre o autor
    Antero Tarquínio de Quental foi um dos nossos maiores poetas e pensadores. Nascido em Ponta Delgada, Açores, a 18 de Abril de 1842, cedo despontou nele uma talentosa veia literária que se traduziu, logo aos 16 anos, na publicação de vários escritos em jornais da época e, um pouco mais tarde, na edição da sua primeira obra em livro, Sonetos. Tinha ele 19 anos e destacava-se já não só como poeta como pelas suas opiniões revolucionárias e forma de estar na vida. Espelhando saber pela poesia, filosofia e política, Antero era um ser profundamente humano, dotado de uma sensibilidade fora do comum, que muito contribuiu com as suas ideias e conhecimento para a renovação da vida política e cultural portuguesa. A par da sua hiper-sensibilidade, as profundas depressões de que sofria levaram-no a encurtar a vida em 1891, apenas com 49 anos de idade.

     9.54
  • Aventuras de João-Flor e Joana-Amor – 4.ª edição

    Sobre o livro
    João-Flor e Joana-Amor são dois simpáticos caracóis que, embora irmãos, diferem muito um do outro. En-quanto o primeiro gosta imenso de viajar, o segundo, por medo, nem por isso.Já cansado de viagens, João-Flor regressa para junto da irmã e resolve ficar a viver com ela para sempre numa amável e acolhedora árvore. Um dia, pelo Outono, o vento chega e leva com ele todas as suas folhas. Convencidas de que vão para um baile, estas nem olham para trás e depressa se esquecem da mãe-árvore que tanto as acarinhou. Perante a tristeza e abatimento da árvore, os manos caracóis resolvem ir atrás delas e convencerem-nas a voltar. O que os leva a empreenderem uma grande viagem e à maior aventura das suas vidas. Com a graça, simplicidade e sentido pedagógico que depõe em todas as suas histórias para crianças, Maria Rosa Colaço oferece-nos neste livro uma história lindíssima que, entre muitas outras coisas, nos ensina o valor da amizade.

     

    Sobre a autora
    Natural de Torrão, Alentejo, e nascida em 1935, Maria Rosa Colaço desde muito cedo manifestou uma forte tendência para as Letras e o Ensino. Assim, foi muito nova que abraçou uma e outra carreira. Nas Letras, estreou-se com o livro Espanta-Pardais, em 1958, que desde logo se impôs à consideração do público leitor. No ensino, iniciou  uma longa carreira onde, entre muitos aspectos, se distinguiu por um forte sentido pedagógico e uma acção notável, corrigindo e melhorando métodos de aprendizagem e inculcando nas crianças um maior interesse e gosto pela leitura. Falecida em 2004, deixou-nos uma vasta obra em que se fundem inteligentemente o real e o maravilhoso e em que, não obstante um olhar consciente das durezas da vida, persiste uma profunda alegria de viver.

     8.48
  • O Cavalo Preto – 3.ª edição

    Sobre o livro
    O Cavalo Preto é um belo potro, elegante, dócil, inteligente e sensível, que qualquer pessoa gostaria de ter por companheiro. Descendente de um grande vencedor de corridas, teve uma educação esmerada em virtude da qual aprendeu a respeitar e a estimar os outros animais e os homens. Todavia há quem, levado pela ganância ou pelo egoísmo, não compartilhe tais sentimentos e chegue ao ponto de exercer sobre ele sevícias e brutalidades a todos os títulos condenáveis. Uma obra recheada de ternura e poesia que patenteia igualmente uma severa crítica ao egoísmo e brutalidade com que eram, e em muitos casos ainda hoje são tratados, os cavalos, tanto a nível doméstico como a nível de competição.  

     

    Sobre a autora
    Anna Sewell (1820-1878) nasceu em Norfolk, Inglaterra, a 30 de Março de 1820. Sua mãe era escritora e o seu pai um modesto comerciante. Mercê dos fracos recursos financeiros de ambos, cedo conhece as tristezas de uma vida difícil. A fragilidade da sua saúde ensombreia-lhe ainda mais a existência, vedando-lhe o acesso a uma vida sã e normal como a de tantas outras raparigas da sua idade. Certo dia, ao regressar da escola, fractura uma perna. Vítima de um tratamento inadequado, Anna fica inválida para sempre. Para se deslocar a casa, muito distanciada da cidade, o pai compra-lhe um carrinho com um pónei. É ao guiar este carrinho que Anna concebe a história do seu Cavalo Preto (Black Beauty). Publicado em 1877, esse romance vem a conhecer rapidamente um êxito extraordinário. Anna porém, pouco goza dessa glória: morrendo um ano depois dessa publicação mal tem tempo para se aperceber do efeito da sua maravilhosa dádiva à literatura.

     7.93
  • O Gigante Egoísta seguido de “O Príncipe Feliz” – 6.ª edição

    Sobre o livro
    Nesta obra, magnificamente ilustrada por Fátima Afonso, encontramos dois dos mais belos contos escritos para a infância: “O Gigante Egoísta” e “O Príncipe Feliz”. Neles Oscar Wilde lembra-nos que só através do Amor e da Partilha podemos alcançar a felicidade e fazermos com que a Primavera chegue a todos os corações, criando o Paraíso na Terra.

     

    Sobre o autor
    Oscar Fingal O’Flahertie Wills Wilde nasceu em Dublin a 16 de Outubro de 1854. Paradigma do dandy, porta-voz do esteticismo finissecular e protagonista de escândalos, Wilde gozou de enorme reputação como escritor na pudorosa sociedade vitoriana. Em 1884 casa com Constance Lloyd e nos anos seguintes publica várias obras em Londres, entre elas O Príncipe Feliz e Outros Contos e O Retrato de Dorian Gray (edição Vega, 2000), o seu único e aclamado romance. Wilde notabilizou-se à época especialmente como dramaturgo, com peças como Lady Windermere’s Fan, A Woman of No Importance, An Ideal Husband e The Importance of Being Earnest. É também autor de ensaios como A Alma do Homem Sob o Socialismo e O Declínio da Mentira, ambos publicados pela Vega. Depois de cumprir pena por “comportamento repreensível”, abandona a Inglaterra para sempre. Reside em França, Itália, e acaba por se fixar em Paris, onde vive modestamente sob o nome de Sebastien Melmoth até à sua morte, a 30 de Novembro de 1900.

     13.78
  • O Livro dos Gatos (edição bilingue)

    Sobre o livro
    Venham conhecer Mister Mistofélix, o velho Fortunato que só quer dormir, e o Rufino Finório, que é um gato esquisito. Mas terão muita sorte se derem com o Mascarilho, criminoso perfeito que se ri da lei e que nunca ninguém consegue apanhar. O Livro dos Gatos, no original Old Possum’s Book of Pratical Cats, é uma colectânea de curiosos e animados poemas dedicados à psicologia e sociologia felina. Foram escritos nos anos 30 por T. S. Eliot e incluídos pelo próprio, sob o nome “Old Possum”, nas cartas que enviava aos seus afilhados. Em 1939, a editora que tinha o exclusivo da sua obra decidiu reunir e publicar 15 desses poemas sob a forma de livro. O sucesso foi imediato e as reedições, bem como as traduções para outras línguas, sucederam-se. Estes poemas ficariam ainda mais famosos a partir de 1981 com a sua adaptação ao musical Cats, de Andrew Lloyd Webber, um dos mais vistos de sempre em todo o mundo.

     

    Sobre os autores
    Thomas Stearns Eliot (1888-1965) nasceu em St. Louis, Missouri, nos Estados Unidos da América. Em 1914 foi viver para o Reino Unido, onde publicou o seu primeiro livro de poesia em 1917. Eliot recebeu o Prémio Nobel de Literatura, em 1948.

    Axel Scheffler nasceu em 1957, em Hamburgo, na Alemanha. Tornou-se mundialmente famoso com as ilustrações que fez para diversos livros infantis, e criou diversos bestsellers, incluindo a premiada série do Gruffalo. Vive em Londres.

    João Almeida Flor, Professor Catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, das áreas dos Estudos Ingleses, Literatura Comparada e Tradução Literária, é um dos mais brilhantes tradutores portugueses de obras poéticas de literatura inglesa.

     

     16.96
  • O Menino do Tambor e Outros Contos

    Sobre o livro
    Pequenas histórias inspiradas em factos reais onde Mia Samba, pseudónimo de Palmira Reis, realça, entre outros aspectos, a atenção que os adultos devem dedicar às crianças no florescer da sua vida, a sensibilidade destas perante eles e o meio em que vivem, as descobertas que vão fazendo acerca dele e a ligação que com ele vão estabelecendo.

    As histórias de Mia Samba valem ainda pelos valores    e conhecimentos que transmite às crianças e pela ajustada interpretação ilustrativa que delas faz a desenhadora Filipa Barros.
     

    Sobre as autoras

    Palmira dos Santos Reis nasceu no Porto em 1961. Licenciada em História pela FLUP, deu aulas durante vários anos. Mudou-se para Lisboa e mais tarde para Luanda, Angola, onde passou alguns anos. Em Luanda apoiou projectos sociais, como Orfanatos, Hospitais e Associações de pessoas portadoras de deficiência física. O pseudónimo “Mia Samba” é uma homenagem às crianças e a Luanda onde viveu na Estrada da Samba.
     
    Filipa Barros nasceu em Lisboa a 12 de Dezembro de 1978. Licenciou-se em Psicologia e trabalhou em pro-jectos de âmbito educativo e cultural em distintas aldeias do norte de Portugal, em Lisboa e Madrid. Estudou Cinema e Ilustração e tem obras publicadas em Portugal e Espanha.  

     12.72
  • O Pássaro da Alma – 8.ª edição

    Sobre o livro
    Desta obra pouco se poderá dizer pois é pura e simplesmente belíssima. Um livro para todas as idades que nos explica de forma poética e única o que é a alma. É um texto essencial num mundo que muitos criticam pela crescente falta de valores e de uma moral. Este livro apela a um conhecimento do nosso mais íntimo e profundo sentir, explicando por via desse pássaro, clara metáfora, aquilo que sentimos, como o sentimos e porque o sentimos. Pela singeleza do conteúdo e pela estética do arranjo dos desenhos de Naama Golomb, é uma obra que tem ganho, desde a sua publicação em 1993, uma reputação internacional que levou a que fosse traduzida em mais de vinte cinco línguas, e em todos os países recebeu prémios e veio a tornar-se best-seller.

     

    Sobre a autora
    Michal Snunit, autora israelita, atingiu a fama com a obra O Pássaro da Alma. Daí para cá produziu dezenas de livros dentro do mesmo estilo que receberam inúmeros prémios em todo o mundo. Tem sido considerada uma das melhores escritoras infantis contemporâneas e a sua obra, originalmente destinada aos mais pequenos, tem vindo a ser lida por adultos com o mesmo prazer. Em Portugal foram publicados três livros seus, todos  eles sob a chancela Vega: O Pássaro da Alma, Vem e Abraça-me e De Mão Dada com Deus.

     10.60
  • Rita e a Lenda da Lagoa das Sete Cidades

    Sobre o livro
    Rita, uma jovem que vive com pais separados, visita pela primeira vez os Açores na companhia do pai. Levada a conhecer as belezas da ilha onde nasceram os seus progenitores, Rita mostra-se deslumbrada com a Lagoa das Sete Cidades. De regresso à casa dos avós paternos, onde ela e o pai ficam hospedados, convence o avô a contar-lhe uma das lendas sobre a famosa lagoa. Ao deitar-se e adormecer sob o efeito dessa história, Rita projecta num sonho o desejo de voltar a ver os pais juntos exactamente naquele local maravilhoso. Segundo a insigne escritora de literatura infantil, Matilde Rosa Araújo, a “Lagoa das Sete Cidades é uma dessas lendas raras, cujo entrecho canta um hino à Natureza e ao Amor. (…) Assírio Bacelar traz-nos esta lenda contada às crianças (e não só) com delicado entendimento da Infância no seu escutar.”  

     

    Sobre os autores
    Assírio Bacelar nasceu em 1939. Desde sempre teve uma atracção especial pelo livro. Editor desde 1972, tem, nessa qualidade, exercido uma acção digna e empenha-da que se salda pela revelação e publicação de muitos autores hoje indissociáveis da nossa cultura. A literatura infanto-juvenil está, desde o primeiro momento, nas suas preocupações e nessa senda escreve alguns livros. Entre os já publicados contam-se O Espantalho às Avessas (1992) e A Estrelinha da Manhã (1996), ambos reco-mendados para leitura pelo IPBL, e traduzidos em língua búlgara, e Leonardo e o Papagaio (2006).

    Raquel Pinheiro nasceu em 1976 e vive desde essa altura em Oeiras onde a proximidade com o mar e as cores do céu sempre a inspiraram. Em 1999/2000 licenciou-se em Artes Plásticas – Pintura pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa e frequentou também o curso de Desenho da Sociedade Nacional de Belas Artes. A partir de 2001 iniciou a sua actividade como ilustradora, editando o seu primeiro livro infantil. Actualmente tem já vários livros editados no mercado português e espanhol e dedica-se por inteiro a esta actividade.

     7.00
  • Um Pedacinho de Nós

    Sobre o livro
    O que acontece quando juntamos pedacinhos de cada um de nós?! Surge uma manta de retalhos repleta de valores, alinhavada entre cheiros, sabores e memórias… Capaz de proteger da força da chuva e do uivo do vento, deixando em todos um sorriso arco-íris! É esta a premissa de Um Pedacinho de Nós, uma história comovente que envolve professores, alunos e respectivas famílias em torno de um projecto comum de beneficência. Embora dirigido às crianças o texto representa um modelo de educação que tem como destinatário final toda a comunidade educativa.

    Sobre as autoras

     

    Luísa Patrícia Rêgo Fernandes Condesso é licen-ciada em Ciências da Educação pela Universidade Clássica de Lisboa. Presentemente é professora do ensino secundário no Colégio Integrado Monte Maior. Este é o seu primeiro livro infantil.

    Sara Veiga Figueiredo Pereira Tavares é licenciada pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Católica Portuguesa. Presentemente é edu-cadora e assistente pedagógica no Colégio Integrado Monte Maior. Este é o seu primeiro livro infantil. A história de Um Pedacinho de Nós teve origem em uma experiência extracurricular que as autoras realizaram no colégio onde exercem funções educativas.

    Manuela Rego é ilustradora e designer gráfica e este é um dos seus primeiros trabalhos de ilustração infantil.

     10.00
Não tem produtos.

Carta Aberta Para Sair Da Crise No Sector Do Livro E Da LeituraApoie esta petição, assine e divulgue. Ignorar